Grande vencedor do Mix Brasil e de festivais em Israel e na Espanha, o longa estreia nas salas do Brasil a partir da próxima quinta (25)

Desde sua estreia no Festival de Veneza deste ano, no qual ganhou o prêmio de público, DESERTO PARTICULAR, de Aly Muritiba, tem uma trajetória de sucesso. Além de ser escolhido para representar o país na disputa pelo Oscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira, o longa, nessa semana, recebeu diversos prêmios. No Mix Brasil, foi premiado como Melhor Filme e Melhor Atuação, para Pedro Fasanaro. 

Também foi escolhido como Melhor Filme Internacional TLVFest 2021 – The Tel Aviv Internacional LGBTQ Film Festival, e recebeu o Premio Camilo (conferido ao melhor longa com temática LGBTQ), no Festival de Huelva – Cine Iberoamericano. O filme foi premiado por “contar a dura realidade das pessoas trans e a valentia de levar a cabo no momento político e social em que vive o Brasil, deixando uma lacuna para o amor e a esperança. 

Em sua trajetória rumo a uma indicação ao Oscar, na última semana, o filme foi exibido em  Los Angeles, da LA Times The Envelope Screening, e também da noite de abertura do Hollywood Brazilian Film Festival. Em Nova York, DESERTO PARTICULAR foi exibido no Cinema Tropical “Las Premieres” Screening, no Museu da Imagem em Movimento. Todos esses eventos foram seguidos com muitos aplausos e bate-papo com o diretor e o produtor Antônio Junior.

Aly Muritiba, diretor de Deserto Particular – Foto: divulgação

Essa foi uma semana muito especial para o DESERTO PARTICULAR. O filme tocou e emocionou públicos muito diversos, em lugares muito distintos. Os prêmios recebidos pelo filme na Espanha, em Israel e no Brasil, somadas às sessões em Los Angeles e Nova York, com ovação do público, me deixaram muito contente. Isso é sinal de as cosias o que filme diz, as coisas que propõe tem chegado no coração das pessoas”, comenta Muritiba.

Na próxima quinta (25), o filme estreia em Porto Alegre, Curitiba, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Aracaju, Brasília, Salvador, Recife, Palmas e Niterói. E, em breve em Fortaleza, em 02/12; e Maceió, Florianópolis, Vitória, Belém, em 09/12.

O longa é protagonizado por Antonio Saboia (“Bacurau”), como Daniel, um policial afastado do trabalho depois de cometer um erro. Ele mora em Curitiba, com um pai doente, de quem cuida com devoção. Taciturno, Daniel fala pouco, e sorri menos ainda,. Seu único motivo de alegria é a misteriosa Sara, uma moça que mora no sertão da Bahia, e com quem se corresponde por aplicativo de celular. O desaparecimento súbito de Sara faz com que Daniel resolva cruzar o país em busca de seu amor. 

DESERTO PARTICULAR é um filme de encontros. Desde 2016, com o golpe que tirou do poder uma presidenta democraticamente eleita, minha geração, formada depois da Ditadura Militar, enfrenta o momento mais dramático de sua existência. O país afundou numa espiral de ódio que culminou com a eleição de um fascista como presidente. Depois da eleição de Jair Bolsonaro, todas as minorias, mulheres, indígenas, a comunidade LGBTQIA+, negros, entre outros, passaram a ser sistematicamente perseguidas, e o país se dividiu entre o sul conservador e o norte e nordeste progressista. Essa época de ódio me motivou quando decidi sobre o que seria meu próximo filme. Faria uma obra sobre encontros. Nesse momento de ódio, resolvi fazer um filme sobre o amor”, explica o cineasta.