O longa cearense, dirigido por Émerson Maranhão, terá sessões gratuitas em cinema e também em streaming

Primeiro longa do cineasta Émerson Maranhão, TRANSVERSAIS será exibido em um novo festival. O longa faz parte da seção Programa Queer.doc do 29o Festival Mix Brasil, que acontece de formas presencial (SP) e em streaming (para todo país), entre 10 e 21 de novembro. O longa será exibido na sala Spcine Lima Barreto (Centro Cultural São Paulo – Rua Vergueiro, 1000 – ao lado do Metrô Vergueiro), no dia 19/11, às 19h30. Os ingressos devem ser retirados na bilheteria do cinema 1 hora antes da sessão. Em streaming, estará disponível na plataforma https://innsaei.tv/. É preciso fazer um cadastro gratuito para acessar o filme.

Produzido por Allan Deberton (“Pacarrete”), o documentário apresenta os depoimentos de quatro pessoas trans que resgatam suas histórias, seus processos de autodescoberta e de trânsitos e jornadas, além de também de uma mulher cisgênero, mãe de uma adolescente trans. Mesmo sofrendo censura do governo federal, que publicamente anunciou que “não tinha cabimento fazer um filme com este tema” e declarou que ele seria “abortado” do edital da Ancine em que era finalista, o filme está circulando em festivais antes de fazer sua estreia em circuito comercial. Suas primeiras sessões foram na na 45a Mostra Internacional de Cinema em São Paulo.

As quatro pessoas que participam do filme são: Samilla Marques, uma funcionária pública;  Érikah Alcântara, uma professora; Caio José, um enfermeiro; e o acadêmico Kaio Lemos. Eles e elas passaram por um delicado processo de auto-aceitação até compreenderem a sua subjetividade.  Hoje vivenciam tecnologias de gênero, como hormônios e cirurgias, que lhe asseguram uma aparência condizente com a maneira como se veem, mas ainda sofrem com a incompreensão, o estranhamento e o preconceito.

Já a jornalista Mara Beatriz, mulher cisgênero, enfrentou a transfobia de perto e refez sua vida ao tomar conhecimento que era mãe de uma adolescente transgênero. Hoje, é uma das mais ativas militantes do grupo Mães pela Diversidade no Ceará.