“Cowboys”, da roteirista e diretora Anna Kerrigan, com toques de faroeste, parece o filme certo na hora certa. Esta história difícil, mas terna, opõe o amável, mas bipolar, Dad Troy (um excelente Steve Zahn ) e seu filho transgênero de 11 anos, Joe (recém-chegado Sasha Knight ), contra um mundo isolado de valores e expectativas tradicionais.

O filme conta a história de Joe , um garoto transexual que enfrenta dificuldades para se relacionar com a mãe, Sally, que se recusa a aceitar a identidade do filho. Seu único aliado é o pai, Troy, um homem instável que aceita e encoraja Joe a ir em busca de sua verdade. Após o divórcio dos pais, Joe foge com o pai em direção ao Canadá, em uma libertadora jornada de aprendizado que reforça os laços familiares da dupla.

O filme, ambientado na atual Montana, usa efetivamente flashbacks para delinear a relação irregular entre o espirituoso e impulsivo Troy; sua esposa mais pragmática, Sally (Jillian Bell); e sua filha angelical, que acredita que nasceu no corpo errado e anseia por apresentar-se como seu verdadeiro eu.

Sally considera Joe uma “moleca”, ou seja, apenas uma garota que gosta de coisas de meninos, não querendo ver como os vestidos que ela oferece à criança são sufocantes e dolorosamente equivocados. Mas Troy, talvez familiarizado com o status de “estranho” de Joe, só quer que ele seja feliz e autêntico e estimula o amor da criança por todas as coisas de cowboy. E é este conflito na criação dos filhos – bem como uma explosão de violência protetora que coloca Troy atrás das grades – sobrecarrega o casamento de Troy e Sally e leva à separação.

Troy ri com indulgência dos maneirismos “moleca” da filha, o que desencadeia a explosão de sentimentos de Joe: “Molecas são apenas outro tipo de garota – e eu não sou uma garota”. É ai que ele entende, sua filha, na verdade, é o seu filho transgênero – cujo nome deveria ser o Joe e não a “Josie” que eles têm usado. Troy entende isso, mas Sally não, o que leva Troy a sequestrar o garoto, com um plano incompleto, para escapar com ele para o Canadá. Enquanto isso, uma astuta policial local (a sempre bem-vinda Ann Dowd ) trabalha para rastrear os “fugitivos” enquanto pai e filho cruzam um campo a cavalo e a pé e encontram sua cota de obstáculos arriscados.

Cowboys (2020) - IMDb

‘Cowboys’ usa uma variedade de cenários ao ar livre, com gravações feitas no estado americano de Montana, cuja calma contrasta com a tensão exposta no filme.

Os momentos mais silenciosos do filme são muito mais eficazes, permitindo que os personagens respirem e se desenvolvam. Apesar da relação central entre pai e filho, a personagem mais interessante é Sally, a mãe de Joe. Começando o filme na defensiva e reprimindo as discussões sobre a identidade de gênero de seu filho, no final ela empreendeu uma jornada mais envolvente do que seu ex-marido e filho.

Sally está presa a um papel doméstico ingrato que ela sente que deve cumprir, apesar da infelicidade que isso lhe traz. Em um flashback picante, ela critica seu marido, que a sociedade permite que seja mais divertido e despreocupado, e que seu filho claramente prefere. Sally acredita que Joe deseja se identificar como homem porque, dada sua própria sorte na vida, “Quem escolheria ser uma menina?”

Steve Zahn, conhecido principalmente por seus trabalhos em comédias, também entrega uma bela atuação dramática, como Troy, um homem estigmatizado por sofrer com problemas psicológicos e alcoolismo. “Cowboys” também marca a estreia do ator trans Sasha Knight, de 12 anos, nos cinemas

É uma pena, porém, que o filme não passe mais tempo entendendo Joe e sua percepção de que ele não é uma menina, além de querer brincar com brinquedos tradicionalmente voltados para meninos e cortar seu cabelo curto. Sua cena de ‘assumir o armário’ é bem tratada por Knight, principalmente em sua observação comovente de que “Às vezes eu acho que os alienígenas me colocaram neste corpo de garota como uma piada”.

‘Cowboys’ não é um filme leve, mas ver Joe se libertar para ser ele mesmo e todo o apoio de Troy, embora com falas tortas, vale a pena parar para assistir.

O drama, vencedor em duas categorias no Festival Tribeca 2020, discute a identidade de gênero na juventude e retrata o amor de um pai que quer proteger o filho da rejeição a todo custo.

O filme está disponível para compra e aluguel nas plataformas digitais Claro Now, Amazon, Vivo Play, iTunes/Apple TV, Google Play e YouTube Filmes. Com distribuição da Synapse Distribution, a produção está disponível em versões dublada e legendada.