Entrevista cedida por Netflix Brasil.

Mesmo depois de três temporadas, Sex Education ainda encontra novos terrenos para explorar. Neste ano, a novidade é que logo seremos apresentados a Cal, personagem não binário. Laurie Nunn, responsável pela criação da série, conta como a ideia surgiu: “na sala dos escritores, discutíamos quais partes do espectro LGBTQ nós ainda não tínhamos englobado em “Sex Education”, e o personagem de Cal acabou se apresentando como uma extensão natural dessa discussão. Nós sabíamos que o personagem traria uma nova perspectiva para a série. Trabalhamos juntamente com consultores não binários para ter certeza de que essa narrativa seria abordada de forma autêntica.” 

E isso incluiu escalar uma pessoa não binária para o papel, Dua Saleh, artista que faz a sua estreia na atuação. Antes de a série retornar no dia 17 de setembro, conversamos com Saleh sobre a sua participação neste drama. Confira abaixo tudo o que descobrimos sobre o estilo específico de Cal e o que as pessoas podem esperar dessa nova temporada.

Como foi a escalação para o papel de Cal? Você era grande fã das outras duas temporadas de Sex Education?

Eu descobri a série por meio de pessoas próximas. Eu ainda não tinha assistido a nenhum episódio porque pensei que eram voltados para adolescentes, mas quando me procuraram para falar sobre o teste para participar do elenco, eu assisti a série de cabo a rabo. Eu posso dizer com toda a sinceridade que essa é uma das melhores séries que já assisti até hoje. Sex Education é um dos trabalhos mais bem pensados, instigantes e engraçados. Eu gravei e enviei um vídeo do meu teste interpretando Cal e, logo depois, eu tive a oportunidade de fazer uma leitura junto com Kedar Williams-Stirling, que interpreta Jackson. Quando fiquei sabendo que o papel era meu, eu surtei, é claro! Este trabalho mudou a minha vida e me desafiou por ser o meu primeiro grande papel na área da atuação. Eu sou artista musical e comecei a fazer música muito antes de começar a atuar. Venho aprendendo muito com essa experiência e só posso agradecer por tudo isso.

Como você descreveria seu personagem? E o que te chamou a atenção, como intérprete, em Cal?

Cal é uma pessoa não binária que estuda na descontraída Moordale. Tem um espírito muito livre, pois adora patinar, fumar maconha e amar. Cal me traz muita alegria. Para mim, esse personagem foi muito bem pensado pelo jeito que fala com as pessoas, que encara os desafios e da maneira como trata os demais com sutileza. Acredito que ile é apenas uma pessoa passando pela adolescência enquanto tenta descobrir o mundo. Acho que o que mais me atrai em interpretar Cal é o fato de a sua jornada não ser só sobre traumas. Nem todas as pessoas não binárias podem dizer o mesmo sobre os papéis que têm a oportunidade de interpretar. Eu tive muitas conversas com Laurie Nunn, com os escritores, com os consultores não binários contratados, sobre como retratar uma pessoa não binária da melhor forma possível. Eu senti muita realização ao longo de todo esse processo, e toda a equipe foi muito solícita em relação às minhas necessidades e ao meu nível de conforto.

Cal não é a única pessoa não binária que estuda em Moordale que conheceremos nesta temporada, certo?Se tem algo incrível nesta temporada é a inclusão de outre personagem não binário, Layla. Podemos ver as diferenças entre Cal e Layla em suas personalidades e também em suas jornadas para entender as próprias identidades. Também podemos perceber como lidam com suas relações, com a escola, com seus conflitos e o quanto são diferentes. Eu acho lindo ver pessoas não binárias sendo retratadas nas telas de um jeito que quebre com o senso comum de que são todas iguais.

Conte um pouco sobre o figurino e a aparência de Cal nesta temporada. O que o seu estilo comunica visualmente sobre ile?

A maneira como Cal se veste foi um ponto muito importante para a equipe criativa, que buscou ser muito específica ao retratar o estilo dile. Os seus cabelos são trançados de forma intrincada, sendo fiel à naturalidade do gênero de Cal. Além disso, a equipe estilizou Cal com roupas mais largas e confortáveis. Tudo foi pensado a partir da questão de gênero e de modo intencional para permitir que Cal se sentisse mais livre. Para mim, a equipe fez um incrível trabalho. 

Como você espera que os fãs se sintam no final desta temporada?

Eu quero que as pessoas se sintam validadas. Cal é uma pessoa negra não binária, e eu quero que as pessoas pensem “Nossa, eu me vejo nesta série. Eu me vejo sendo representade em uma grande mídia”. Isso é o que eu mais quero.

A terceira temporada de Sex Education estreia no dia 17 de setembro, na Netflix.