[ARTIGO] Minha experiência pessoal com a série Dark

Tempo de leitura3 Minutos, 54 Segundos
[ARTIGO]  Minha experiência pessoal com a série Dark

Antes de começar a ler, saiba que esse texto é de opinião totalmente pessoal!

A primeira vez que vi a série DARK foi logo na sua estreia, em dezembro de 2017. Eu não efetivamente cliquei e assisti a um episódio, só me chamou a atenção o casaco de chuva amarelo de personagem principal, que hoje sei que se chama Jonas Kahnwald, interpretado pelo Louis Hofmann. e sempre que passava pela série lembrava “Ah, aquela série do garoto de casaco amarelo, tenho que assistir qualquer dia”.

Eu vou te adiantar a leitura pra te dizer, eu não gostei da série.

O ano de 2017 passou, todo ano de 2018 e em meados de 2019 a série lançou sua segunda temporada. Os mistérios, como hoje sei, começaram a se revelar e logo isso gerou conversas. Eu ainda não tinha parado pra assistir Dark, ainda era a série do garoto de casaco amarelo pra mim, mas logo fiquei sabendo do impacto da série, sua fama de ser complexa, praticamente impossível de se entender sem uma planilha detalhadas dos personagens que aparecem em tela e suas motivações. meu interesse ficou nulo após a série ganhar essa fama. Não queria ter o trabalho de fazer isso no meu tempo livre, queria só descansar a cabeça com uma série de comédia boba ou um mistério mediano. sou um cara simples, afinal.

Com saudades de Dark? Netflix já tem uma substituta

Mas começa 2020 e, nesse momento tenho para parabenizar o marketing da Netflix, fica cada vez mais difícil ignorar a série. Conforme os meses passavam mais vídeos são publicados, mais teorias, mas produtos com a casaco amarelo de Jonas vão aparecendo em lojas com temática Nerd. Fenômeno parecido com o da série La Casa de Papel (que ainda não assisti). E foi quando vi uma publicação dizendo “se você começar a assistir um episódio por dia hoje, vai terminar a tempo para a estreia da terceira temporada”. E lá fui eu, assistir a série que estava sendo tão falada. a série que não pode ignorar.

Agora, esse trecho aqui é pra tirar do caminho os elogios que tenho a série, e que vocês todos já conhecem. Um cast muito bem feito, uma atenção aos detalhes e um roteiro bem construído foram o que deram a série a relevância que ela alcançou, e sim, reconheço isso. Mas Dark definitivamente não foi o “meu tipo” de série.

Veja bem, você pode justificar que o lentidão da primeira temporada é proposital, e que serve para construir os personagens e honestamente? eu até acho que sim. Mas a lentidão da primeira temporada me fez perder o interesse na série em diversos momentos. A única coisa que me segurou durante toda a primeira temporada foi a promessa dos fãs, de que a série logo começaria a me recompensar com revelações bombásticas e mistérios intrigantes.

Sobre as revelações, aquelas mesmas que diziam que iriam fritar a sua cabeça e te fazer uma planilha só pra poder entender o que está acontecendo (o que foi uma das coisas que, sinceramente, me afastou muito da série durante 2019 e 2020) não eram tão complicadas. E eu sei que conto com o benefício de poder ter assistido a série inteira sem ter que esperar mais de um ano para a próxima temporada enquanto marinava na minha cabeça uma série de possibilidades. pude ver todo o desenrolar da história na minha frente de uma vez, e não foi tão ruim quanto estavam me vendendo.

Agora uma coisa que foi pior do que a que estavam me vendendo foi o mistério. Eu gosto de mistérios, é divertido se reunir para poder elaborar teorias e se ver errando completamente detalhes importantíssimos, mas acertando detalhes que sequer fazem diferença pra trama. Mas Dark é desonesta com seu ministério.

Terceira temporada de Dark chega à Netflix com disputa entre luz e ...

Veja bem, o mistério que costuma consumir e que gosto é aquele mais padrão. Tipo Sherlock Holmes? onde as primeiras duas partes da história é preparando o tabuleiro te apresentando o cenário, personagens e regras. quase como uma tabuleiro de um jogo onde você e o autor estão jogando um jogo. Na maioria das vezes o autor vai te pegar de surpresa subvertendo uma regra, ou se aproveitando da sua falta de atenção em algum detalhe que se mostra decisivo para a resolução do ministério.

Seguinte essa analogia de um jogo de tabuleiro, Dark te coloca em um tabuleiro, não te explica todas as regras, adiciona ou retira peças a seu bel prazer e no fim você descobre que o tabuleiro que você estava usando nem era o tabuleiro certo.

Essa foi minha sensação ao assistir Dark, me arrependo de ter cedido a pressão do marketing e culpo todos vocês, fãs, por me fazer acreditar em uma desfecho satisfatório.

0 0
Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleppy
Sleppy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Deixe uma resposta